sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Criando campo energético positivo

Ontem estava conversando com uma pessoa e não achava as palavras certas para me expressar. Quando chegou a noite e peguei um livro para terminá-lo, eis que seu penúltimo capítulo diz exatamente aquilo que eu buscava para demonstrar o que se passava aqui dentro:
"Existe um costume muito enraizado na cultura das pessoas no geral. Quando não gostamos ou não concordamos com o comportamento de uma outra pessoa, tecemos a nossa infalível crítica, que, mesmo não sendo expressa verbalmente, apenas no pensamento, já tem uma energia e direção.
(...) mesmo que a pessoa não esteja agindo de forma adequada, que seu comportamento seja negativo, nunca devemos tecer comentários igualmente críticos ou negativos, já que isso irá reforçar esse padrão de comportamento. É óbvio e natural que haja uma reação, mesmo que silenciosa em nossas mentes. Quando somos insultados, afrontados, ofendidos, magoados, é disparada internamente uma resposta para aquele fato. É isso que temos de aprender a controlar!
Quando alguém nos faz algo ruim, alguma coisa realmente imprópria ou inferior, é porque essa pessoa, mesmo que momentaneamente, está em uma vibração baixa que a faz pensar, sentir e produzir essas inferioridades. Quando impiedosamente manifestamos a nossa crítica para esse alguém, estamos projetando nela mais energia negativa e, por consequência, reforçando ainda mais essa vibração baixa.
(...) é muito difícil para qualquer pessoa, nessas condições, conseguir segurar os comentários ou reações naturais pertinentes. Só que o resultado desse processo natural é que não conseguimos nunca ajudar a quem precisa evoluir, e pessoas que produzem constantemente inferioridades são as que mais precisam crescer espiritualmente. Por conseguinte, ela recebe essa vibração inconscientemente e vai se mantendo cada vez mais nessas vibrações densas que tanto geram problemas.
Trazendo isso para a prática, se você não concorda com o comportamento da sua cunhada, não manifeste sua crítica, não comente e nem verbalize. Se você não suporta a arrogância do seu chefe, por favor, não perca seu tempo em criticá-lo, isso vai fortificá-lo ainda mais nessa arrogância. Se você não aguenta mais a sua sogra, está cansado do seu marido ou esposa, não tem mais paciência com seus filhos, pelo amor de Deus, não os critique, não reclame pelos comportamentos de que você não gosta. Isso só vai reforçar ainda mais esses aspectos negativos. É claro que ninguém gosta desse tipo de coisa, mas projetar a sua crítica, mental ou verbalmente, vai realimentar esse ciclo negativo que tende a ficar cada vez pior. Com o tempo, quando os comentários, críticas ou reclamações continuam a acontecer, um campo energético consistente nessa vibração característica vai sendo criado. Esse campo energético vai gerando uma rede de impulsos vibratórios na frequência das inferioridades, e isso ancora comportamentos negativos no indivíduo que recebe a crítica. Essa energia concentrada dificulta muito a evolução da pessoa. Mesmo que ela, um dia, dê-se conta de que precisa melhorar e redimir-se de seu comportamento inadequado, vai sentir uma dificuldade muito grande. Isso porque essa energia criada pelas críticas vai dificultar imensamente o processo, e raramente a pessoa vai evoluir, melhorar e purificar seus aspectos inferiores da personalidade.
(...)
É preciso aprendermos a controlar os impulsos das emoções, controlar a impulsividade, respirarmos fundo e buscarmos, dentro da pessoa que seria alvo da crítica, a presença do seu Eu superior, da divindade dentro dela, que, por medos e armadilhas do ego, se distanciou da sua verdadeira essência. É preciso encontrarmos o entendimento de que ela é alguém que mesmo sem ter consciência, precisa muito de ajuda.
(...)
É preciso vigiarmos os pensamentos e percebermos se o que falamos a respeito das pessoas é positivo ou não, porque tudo é muito sutil.
(...)
Precisamos aprender a, constantemente, encontrar partículas de Eu Superior ou de Deus em cada pessoa, fazendo o exercício diário de perceber que, quanto mais inferior for a personalidade da pessoa, mais distante de sua espiritualidade e desequilibrada ela estará.
Quando nos concentramos em perceber essa energia que cada um tem, mesmo sendo quase imperceptível ou parcialmente apagada, uma força positiva em prol da evolução daquela pessoa começa a crescer. Termos a consciência de que quem vive com esses hábitos comportamentais negativos é alguém em desequilíbrio já é uma atitude positiva, porque traz o entendimento da situação, e isso diminui muito a intensidade dessa projeção reativa natural.
Em seguida, projetarmos na pessoa um pensamento positivo contrário ao que está em evidência também é providencial, pois gera grande enfraquecimento na personalidade negativa. E isso é muito simples, podemos fazer em silêncio, mentalmente, e, às vezes, até na frente da própria pessoa. Ou também, em um segundo momento, distante do indivíduo. Fazemos apenas uma mentalização rápida, imaginando a pessoa serena, feliz, consciente de seu erro, compassiva, cheia de amor, despertando para sua evolução.
Em alguns casos, em função de a pessoa ser já de longa data conhecida pela sua personalidade difícil e negativa, podemos duvidar do poder dessa prática simples, no entanto basta um pequeno exercício mental nesse sentido, que poderemos ver resultados nítidos aparecerem. Quando se leva a sério essa conduta, coisas incríveis acontecem. A criação desse hábito é o comprometimento com um mundo muito melhor e sem grandes esforços, pois acontecem no silêncio de nossos pensamentos e projeções mentais.
(...)
Depois de desenvolvermos habilidade nessa prática, passamos a criar uma concentração de energia parecida com aquela quando tecemos críticas constantes, só que, dessa vez, com polaridade invertida, o que quer dizer, positiva. O resultado disso é a construção de um campo de energia sutil muito benéfico à evolução de cada ser. Isso cria uma conexão de energias de orações (...), vibração positiva concentrada.
(...)
Quando criamos este campo energético, propagamos conexões de energias de orações, ajudando-a na evolução das pessoas, do planeta e nossa, com uma consequência bem vinda desse processo.
(...)
O passo principal é eliminar a crítica, concentrando a projeção da divindade que há em cada ser. Em seguida, precisamos aprender a projetar pensamentos positivos contrários aos aspectos inferiores das pessoas. O próximo passo é mantermos continuamente esse hábito, para que o campo de energia se faça, fortifique-se e estenda-se. (...)

Texto retirado do livro "Sintonia de Luz" - Bruno José Gimenes



2 comentários:

Leonardo disse...

Muito interessante a abordagem, mas será que por vezes não temos que dizer aquilo que verdadeiramente estamos sentindo para que a outra pessoa possa refletir sobre aquilo? Acho que muitas vezes essa pessoa em "desequilíbrio" sequer tem a capacidade de perceber o quanto suas energias negativas podem estar destruindo tudo que há de bom em seu entorno. Enfim... Muito bom o post. Parabéns pelo Blog. Leonardo.

Amanda disse...

Uma pessoa em desequilíbrio consegue enxergar?
Tudo tem seu tempo...